Ir para o conteúdo Ir para o conteúdo
acessibilidade


access
Página de Acessibilidade

HISTÓRICO: A FESTA DE CORPUS CHRISTI

A solenidade do Corpo de Deus celebra a instituição da Eucaristia e pela primeira vez foi realizada na Bélgica, com Juliana de Liège em 1247, que após visão solenizou os mistérios da Eucaristia e foi oficializada em 1264 pelo Papa Urbano IV.
Sabemos que a Eucaristia é o ápice e a fonte da vida da Igreja. Sendo, como é, o núcleo central da mensagem da salvação, a libertação do pecado e da tirania da morte, mediante a Páscoa de Cristo e adoção por Deus como seu povo, mediante a aliança sancionada com o penhor do Sangue e do Corpo do Salvador Jesus, tudo isto está e continua na Igreja através da Santíssima Eucaristia, que nada mais é do que o prolongamento (portanto) da Páscoa e Aliança de Cristo, sob os véus sacramentais.
A solenidade do santíssimo Corpo de Cristo é, portanto, a festa da instituição da Eucaristia. Instituindo este mistério santíssimo, Cristo fez à sua Igreja  que somos todos nós,  o mais rico e generoso presente, porque nos deixa o seu próprio Corpo, Sangue, Alma e Divindade.
Esta instituição se deu, de fato historicamente, como sabemos, na quinta-feira Santa, mas a lembrança dos sofrimentos do Senhor na Semana Santa, em pleno Tríduo Sagrado, nos impede expressões de alegria, gestos de júbilo, atitudes de contentamento. Mister se fazia escolher uma data no Ano Litúrgico para tal e estabeleceu-se que seriam 11 dias após Pentecostes.
No Brasil foi introduzida pelos colonizadores portugueses, nos tempos de D. João VI e dos imperadores D. Pedro I e D. Pedro II, que a faziam um misto de festa da Casa Real, da Igreja Católica e do povo, incluindo os escravos.

 

TEREZA MAZZUCO: A IDEALIZADORA DO EVENTO EM SÃO MANUEL

Nasceu na cidade de São Manuel em 1919, mas foi registrada em Areiópolis. Estudou o ginásio e magistério na Escola Normal Livre de São Manuel, onde hoje funciona a escola estadual "Dr. Manuel José Chaves".
Formou-se em pedagogia na faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Campinas no ano de 1946, onde se especializou em Administração Escolar.
Trabalhou como orientadora da escola "Dr. Manuel José Chaves" do ano de 1945 a 1975, e a seguir nas Delegacias de Ensino da região. Foi educadora na Creche "Dona Leonor Mendes de Barros" desde sua fundação. Até anos antes de seu falecimento a educadora Tereza desenvolvia trabalhos artesanais em sua casa, como voluntária, que eram vendidos e a renda revertida às entidades do município.
Esteve a frente da Ação Católica nos anos de 1945 a 1967. Em 1949 iniciou os enfeites da tradicional festa do "Corpus Christi" confeccionados com flores. Desde então, passou a organizar e fiscalizar todos os anos os enfeites e as inovações, como os temas para os tapetes e passadeiras, além dos materias, onde solicitava a população que os guardasse, como pó de café, tampinhas de garrafa e vidro. Utilizou posteriormente, revolucionando as formas e cores dos desenhos, o bagaço de cana-de-açúcar moída tingido. Em questão de pouco tempo a festa do Corpus Christi de São Manuel se tornou uma das grandes referências turísticas do Brasil.
No ano de 1991, deixou de trabalhar na festa religiosa que ajudou a tornar uma das maiores da cidade e da região, vindo a falecer em 1996.